A Atini – Voz pela Vida tem viajado muito pelo Brasil, visitando comunidades indígenas e ouvindo as pessoas sobre o que mais as preocupa sobre as Crianças indígenas.

Este ano em viajem pelo vale do Javari, ouvimos os indígenas em um clamor preocupante sobre a saúde e a educação nas comunidades daquela região.

A taxa de mortalidade infantil para a população indígena é de 41,9 por mil nascidos vivos, enquanto a taxa nacional foi em torno de 19,0 por mil nascidos vivos, segundo dados do IBGE/Pnad/2009. No caso dos Caiapós, a mortalidade infantil está em 90 por mil nascidos, segundo dados do Sistema de Informação e Atenção à Saúde Indígena (SIASI/SESAI/MS), de 2012. Portanto, mais que o dobro da média dos demais povos indígenas.

A desnutrição ainda é a principal doença nutricional; apresentam altas prevalências de doenças infecto-parasitárias (helmintíase, diarreia, micose, pediculose e malária); a incidência da tuberculose chega a ser cinco vezes maior que a registrada entre a população não indígena; altas frequências de doenças do aparelho respiratório, como a infecção respiratório aguda (IRA), pneumonia, bronquite e asma, como também, doenças por causas externas (trauma simples e agressão).

O índice médio de mortalidade da criança indígena de até 9 anos é quase o dobro do índice médio de mortalidade da criança não indígena, segundo o UNICEF.

A educação multicultural ou tradicional não é uma realidade em todas as comunidades, isso preocupa os mais velhos, pois percebem que a falta de acesso a educação e informação faz com que o jovem indígena não conheça o “mundo externo e nem seu próprio mundo”.

http://www.unicef.org/brazil/pt/media_27719.htm

Em parceria a Emphasis (http://emphasis.cc) que é uma produtora e um nexo de pesquisadores, jornalistas, contadores de histórias visuais e implementadores de programas que estão fundindo meios para apoiar a transformação da realidade de crianças em situação de vulnerabilidade no Brasil e no mundo, produzimos um novo documentário, que desejamos apresentar a você.

http://vimeo.com/108650566 (link do vídeo)

7

11 DE OUTUBRO – DIA NACIONAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

Neste Dia nacional da pessoa com deficiência, a Atini – Voz pela Vida deseja homenagear as Mães de Crianças Indígenas brasileiras  portadoras de deficiências físicas! A elas nossa admiração pela luta que travam todos os dias para dar aos seus pequenos uma vida plena de dignidade, ainda que enfrentando tantas dificuldades.

Parabéns às Mães da Atini!

8

Quebrando o Silêncio aborda o infanticídio a partir do depoimento dos próprios indígenas

Imagem2

Quebrando o Silêncio reúne relatos de parentes de vítimas, de agressores e de sobreviventes.
São ouvidos, ainda, antropólogos, advogados, religiosos, indigenistas e educadores.

Esperamos que este material ofereça dados suficientes para que se possa pelo menos tomar uma decisão importante. A decisão de levar essa discussão adiante – ouvir, discutir, refletir, com imparcialidade, e criar condições para que as comunidades indígenas possam resolver os conflitos que causam o infanticídio. Que, pelo menos por um momento, possamos silenciar ideologias e paixões e ouvir com empatia a voz de mulheres que se cansaram de enfrentar sozinhas essa dor. Que possamos tomar a decisão responsável de quebrar o silêncio sobre o infanticídio.

Read More

6

Amalé

kamiru

A História de um sobrevivente!

Erro: You must enable a payment gateway to use Easy Digital Downloads

Erro: Nenhuma página de finalização de compra foi configurada. Visite Configurações para definir uma.